Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

#zikazero | CLIQUE AQUI, SAIBA MAIS E PARTICIPE | #zikazero
A sociedade mobilizada para vencer a luta contra o mosquito

Instituto Eu Quero Viver
sexta-feira, 11 março, 2011 0:55

Lei amplia regiões produtoras de Queijo Minas Artesanal

Divulgação/IMA
O Queijo Minas Artesanal é um patrimônio cultural do Estado

Uma nova lei estadual vai ampliar o reconhecimento das regiões produtores do Queijo Minas Artesanal. Até dezembro de 2010, havia 63 municípios com este reconhecimento no Estado.

Com a nova lei estadual, o cenário da atividade passa a contar com 30 mil agricultores familiares distribuídos em cerca de 600 municípios.

De acordo com a Lei 19.492, em vigor desde janeiro, o Queijo Minas Artesanal é aquele produzido no estabelecimento rural a partir de leite cru também retirado ali mesmo. Isso quer dizer que todas as regiões mineiras podem ser consideradas produtoras de queijo artesanal, desde que seja comprovada em seus municípios a fabricação do produto conforme a lei.

Pela legislação anterior, a produção do Queijo Minas Artesanal também tinha que estar ajustada às características históricas, tradicionais e culturais da região produtora. Apenas as regiões do Serro, Canastra, Araxá, Cerrado e Campo das Vertentes tinham esse reconhecimento.

Segundo o superintendente de Segurança Alimentar e Apoio à Agricultura Familiar da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), Lucas Oliveira Scarascia, a nova lei estadual possibilita o atendimento a uma antiga reivindicação de produtores de queijo de regiões como o Triângulo, Norte e Sul de Minas. “Eles produzem o queijo em seus estabelecimentos com o leite cru retirado no próprio local, e necessitavam ser integrados às políticas públicas de apoio à atividade”, explica.

Segundo o superintendente, os produtores não reconhecidos sentiam-se desestimulados porque não recebiam o tratamento diferenciado dispensado às regiões caracterizadas. “Assim que a lei for regulamentada, os produtores das diversas regiões, que produzem o Queijo Minas Artesanal, podem obter habilitação sanitária junto ao IMA para vender o produto em todo o Estado”, diz Scarascia.

Os produtores ajustados à lei também podem trabalhar com o apoio do Programa Queijo Minas Artesanal, com assistência técnica da Emater-MG, para a obtenção de produtos de qualidade. Além disso, o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) faz a vistoria prévia e final dos estabelecimentos rurais para realizar o cadastro no órgão.

Lucas Scarascia destaca ainda o trabalho da Organização das Cooperativas de Minas Gerais (Ocemg), que responde pelo custeio de cursos de boas práticas de fabricação e análises laboratoriais da água e do queijo, além do exame do gado das propriedades.

O superintendente afirma que devem ser realizados estudos, por meio das instituições de pesquisa, para mapear os tipos de queijo artesanal produzidos nas regiões agora integradas para definir o padrão de identidade e qualidade desses produtos.

Certificação
A regulamentação da nova lei também vai definir uma certificação diferenciada para os queijos fabricados conforme a tradição histórica e cultural da região. Poderão ser registrados os processos de produção (modo de fazer) nas regiões para a proteção do patrimônio cultural. A explicação é da assessora técnica da Superintendência de Segurança Alimentar e Apoio à Agricultura Familiar, Luciana Siqueira Rapini.

A certificação com bases históricas e culturais é um processo diferente do reconhecimento. Nela enquadram os queijos produzidos nas regiões do Serro, Canastra, Araxá, Cerrado e Campo das Vertentes. “Será fundamental também realizar estudos para estabelecer os aspectos relacionados com a altitude, temperatura, umidade do ar, fermento lático natural (caso exista) e modo de fabricação que podem interferir na condição final do produto”, diz a assessora.

Parceria
A Seapa responde pela coordenação do Programa Queijo Minas Artesanal com suas vinculadas Emater-MG, Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) e Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig). Também participam: Organização das Cooperativas do Estado de Minas Gerais (Ocemg); Banco do Brasil, que responde por linha de crédito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) que poderá atender aos produtores do Queijo Minas Artesanal; sindicatos rurais e associações de produtores.

via Agência Minas

Veja também o que publicamos sobre queijo

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

Mapas do Triângulo

Meteorologia

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest