Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

#zikazero | CLIQUE AQUI, SAIBA MAIS E PARTICIPE | #zikazero
A sociedade mobilizada para vencer a luta contra o mosquito

Instituto Eu Quero Viver
sábado, 10 agosto, 2013 21:01

Queijo Minas para consumidores de todo o Brasil

Carlos Alberto/Imprensa MG
Queijo de Medeiros conta com acompanhamento do Centro de Qualidade na produção
Carlos Alberto/Imprensa MG
Queijo de Medeiros conta com acompanhamento do Centro de Qualidade na produção

Com apoio da Emater-MG e inspeção do IMA, o primeiro produtor mineiro a exportar a iguaria já tem mercado garantido em outros estados do país

O queijo artesanal, produto típico de Minas Gerais, vem ganhando cada vez mais mercados por todo o país. Com a implementação dos Centros de Qualidade do Queijo Minas Artesanal – projeto desenvolvido pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater-MG) –, os agricultores familiares mineiros podem, agora, comercializar o produto para todo o país, respaldados, ainda, pela criteriosa inspeção do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA).

O produtor Alexandre Honorato, do município de Araxá, será o primeiro a vender o queijo de Minas em outros Estados. Para isso ele recebeu, nesta sexta-feira (9), a identificação da queijaria e o rótulo com o selo de inspeção do IMA. A partir das ações de apoio do Governo de Minas, o produtor já fechou contrato em São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Paraná.

O investimento de Honorato foi de R$ 80 mil, mas ele informa que, mesmo se este valor tivesse sido menor, ainda assim os resultados seriam muito positivos. Na visão do produtor de Araxá, o êxito “estaria garantido” mesmo com pequenos aportes iniciais “O produtor tem que se dedicar, não é um bicho de sete cabeças. Para mim, não houve nenhuma dificuldade, pois a Emater-MG, dá todo o suporte neste processo, facilitando a vida do produtor rural”, explica Honorato.

A Emater-MG estabeleceu uma intensa mobilização para garantir a efetivação desse projeto, que favorece o agricultor familiar, possibilitando aumentar sua renda. “A Empresa, além de ter buscado o recurso para a construção dos Centros de Qualidade do Queijo Minas Artesanal, também atua por meio da Rede do Queijo Minas Artesanal, orientando o produtor em todas as etapas da fabricação do queijo”, explica o presidente da Emater-MG, José Ricardo Roseno. A medida assegura a qualidade do sistema de produção e do produto, exigidas na inspeção do IMA, para a comercialização do queijo.

A Rede do Queijo Minas Artesanal é formada por uma equipe multidisciplinar da Emater-MG, com veterinários, engenheiros agrônomos e nutricionistas, que orientam os agricultores, assegurando a execução de boas práticas agropecuárias, a fabricação de queijos com qualidade. “A Rede trata até mesmo da destinação dos resíduos das queijarias, de forma a garantir uma produção sustentável”, destaca Marinalva Soares, coordenadora técnica da Emater-MG.

“Os Centros de Qualidade, além de oferecerem um ambiente adequado e amplo para uma perfeita maturação do queijo, essencial para ser reconhecido como artesanal, dão suporte logístico para coleta, seleção, embalagem e distribuição dos queijos para os grandes centros de consumo”, completa Marinalva Soares.

Primeiro produtor a exportar o queijo de Minas
Alexandre Honorato produz queijo há 20 anos, mas, por volta de 2006, ficou desanimado e chegou a desistir da atividade. Porém, em 2007, incentivado pelos extensionistas da Emater-MG, participou de um concurso do Queijo Minas Artesanal realizado pela Empresa – e acabou sendo o grande vencedor. O resultado do concurso animou o produtor que resolveu investir no Queijo Minas Artesanal, com apoio da Emater-MG.

“Vivo da produção do queijo, não tenho nenhuma outra fonte de renda”, destacou. A possibilidade de vender sua produção fora de Minas deu outro ânimo ao produtor. “A gente ficava muito restrito, vendendo o queijo só em Minas. Saindo do Estado, agora, abre um campo maior, agrega valor ao produto. Nós já temos que conviver com a concorrência desleal do queijo clandestino. Vamos partir para outros mercados, buscando uma clientela diferenciada que quer um produto de qualidade, certificado”, explica Honorato.

Na queijaria do produtor Alexandre Honorato, no município de Araxá, no Alto Paranaíba, são produzidos 130 queijos diariamente. Ele trabalha com seis funcionários diretos e dois temporários. Empolgado com a ideia de produzir uma iguaria típica do Estado, Alexandre Honorato resolveu dar o nome de “Minerim” ao queijo que fabrica. “É do jeitinho que o mineiro fala”, explica.

Para Marinalva Soares, o licenciamento foi um ganho para o produtor. “Ele mora perto de São Paulo e não podia vender para este estado, sendo que lá a demanda é muito grande. Vendo as portas abertas, ele procurou melhorar as instalações e aumentou a produção. Vender o Queijo Artesanal fora de Minas é um avanço para os produtores, porque eles terão acesso direto ao consumidor, sem intermediários. Para isso, precisam ter um volume maior de produção, com regularidade na oferta do produto, semanalmente, o que será possível com os Centros de Qualidade do Queijo Minas Artesanal”, afirmou.

“Esse é um momento importante para Minas Gerais, com a valorização de um produto tradicional de Minas e a abertura para a comercialização do queijo artesanal em todo o país”, conclui o presidente da Emater-MG, José Ricardo Roseno.

Atuação da Emater-MG
Para o secretário de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Elmiro Nascimento, a atuação da Emater-MG foi “muito significativa” nesse processo. “Além de ter buscado o recurso para a construção dos Centros, a Emater-MG tem se empenhado na organização dos grupos que receberão os empreendimentos, estando presente em todas as etapas de produção do queijo de qualidade”, destaca o secretário, que fala, também, sobre o papel do IMA na inspeção dos queijos e criação do mecanismo que permitiram ampliar a comercialização do produto.

Já segundo o secretário de Estado de Trabalho e Emprego, Zé Silva, idealizador do projeto, quando era presidente da Emater-MG, há uma grande expectativa nos mercados de outros estados com o comércio legalizado do queijo mineiro. “A expectativa é grande, pois não há quem não conheça, no Brasil, a tradição e a qualidade, que são referências dos queijos artesanais mineiros”, afirma. “Nos Centros, estas características serão asseguradas ainda mais com a assistência técnica da Emater-MG, para garantir um aumento da produção, a regularidade e a qualidade do Queijo Minas Artesanal, que é um patrimônio cultural de Minas e de todos os mineiros”, completa o secretário.

Para José Ricardo Roseno, a ideia é construir Centros de Qualidade nas cinco regiões tradicionais produtoras do Queijo Minas Artesanal – como Serro, Canastra, Araxá, Campos das Vertentes e Cerrado –, ampliando o benefício aos produtores. Além de Medeiros, o primeiro a ser inaugurado, há outro Centro de Qualidade em fase de conclusão em Rio Paranaíba, que atenderá a 13 agricultores familiares. Há ainda outro em fase inicial, na cidade de Araxá.

Nova instrução normativa
O setor de produção de queijo vem recebendo atenção especial do Estado. No último dia 6 de agosto, o governador de Minas Gerais,Antonio Anastasia, e o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Antônio Andrade, assinaram, em solenidade realizada na sede da Federação da Agricultura do Estado de Minas Gerais (Faemg), instrução normativa que estabelece novos critérios para facilitar o registro de queijos artesanais tradicionalmente produzidos a partir de leite cru.

Com a publicação do ato, o produtor mineiro desse tipo de queijo, maturado em período inferior a 60 dias, poderá comercializar seu produto por todo o país. Antes da revisão da norma, a comercialização estava restrita a queijarias situadas em região de indicação geográfica e propriedades certificadas pelo Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal. A nova instrução normativa adequa-se aos critérios e ações já adotados em Minas para incentivar a expansão comercial do queijo nacionalmente, sem abrir mão das normas de qualidade.

“A instrução normativa vai permitir uma verdadeira liberdade para esses produtores que vão ter, a partir de agora, um processo mais simples de certificação da qualidade dos queijos, possibilitando a venda para fora de Minas, em um prazo mais adequado. Tenho certeza que isso vai significar uma melhoria da produtividade e, mais do que isso, a legalidade da venda desses queijos para outros mercados domésticos no Brasil”, disse o governador, durante a solenidade.

via Agência Minas

Veja também o que publicamos sobre queijo

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

Mapas do Triângulo

Meteorologia

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest