CaldoQuantico Holopraxis CQL CreSentes DNAtos PARCEIROS EXPEDIENTE ANUNCIE PRIVACIDADE E USOS
 
Capa Geral Caderno 1 Caderno 2 Caderno 3 Caderno 4 Blogs Links Úteis Meteorologia
Instituto Eu Quero Viver

sexta-feira, 24 julho, 2009 15:20

Radiador no bico

 
Divulgação
Cientistas do Brasil e do Canadá descobrem que tucanos utilizam bico para regular troca de calor com o ambiente, aumentando ou diminuindo temperatura corporal conforme a necessidade. Estudo foi publicado na Science

Há alguns séculos os cientistas levantam hipóteses sobre a utilidade do grande bico dos tucanos. Finalmente o enigma pode estar resolvido: o bico funciona como um eficiente radiador, que controla o calor do corpo do animal conforme suas necessidades.

A descoberta foi realizada por cientistas da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e da Universidade Brock, no Canadá, em estudo publicado na edição desta sexta-feira (24/7) da revista Science.

Os cientistas monitoraram tucanos da espécie Ramphastos toco em um equipamento de termografia infravermelha, enquanto os pássaros eram expostos a diferentes temperaturas. Conforme o ambiente esquentava ou esfriava, a temperatura da superfície do bico mudava rapidamente.

O estudo foi feito por Glenn Tattersall, da Universidade Brock, Denis Andrade e Augusto Abe, do Departamento de Zoologia do Instituto de Biociências de Rio Claro (SP), da Unesp. Abe é coordenador do Instituto Nacional de Pesquisas em Fisiologia Comparada, um projeto temático financiado pela FAPESP em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Segundo Andrade, o tucano utiliza o bico para regular a quantidade de calor trocada com o ambiente. Essa função, no entanto, nunca havia sido proposta até agora.

“Em uma situação de frio, o tucano pode diminuir o fluxo sanguíneo para o bico e conservar o calor no corpo. Em uma situação de calor, o fluxo é aumentado e o bico fica mais quente, facilitando a perda de calor do corpo do animal para o ambiente”, disse Andrade à Agência FAPESP.

De acordo com o professor da Unesp, o experimento realizado foi relativamente simples. “Os animais foram colocados em uma câmara climática cuja temperatura pode ser manipulada. Para monitorar a variação de temperatura, usamos uma câmera de infravermelho, que permite detectar a temperatura superficial do objeto em seu interior, fornecendo uma imagem térmica com riqueza de detalhes muito grande”, disse Andrade.

No estudo, os pesquisadores observaram que a temperatura da superfície do bico mudava rapidamente conforme o ambiente esquentava ou esfriava. Durante o pôr-do-sol, enquanto os pássaros preparavam-se para dormir, os bicos esfriavam cerca de 10 °C em questão de minutos.

Foram utilizados na pesquisa quatro animais adultos e dois filhotes com dois meses de idade. Um total de 110 horas de dados de vídeo foram coletados para a análise, sendo cerca de seis horas de dados obtidos por tucano a cada dia.

O bico do tucano, segundo o estudo, tem características singulares no mundo animal, formando cerca de um terço do comprimento total do corpo do pássaro. É o bico mais comprido em relação ao tamanho do corpo entre todas as aves existentes. Diversas hipóteses sobre a utilização do bico já haviam sido levantadas, como o uso para atrair companheiros ou para comer determinadas frutas.

“O bico tem todas as características de uma janela térmica, como a grande superfície, a boa vascularização e a ausência de isolamento térmico. É até surpreendente que ninguém tenha levantado antes essa hipótese”, disse Andrade. Outros exemplos de janelas térmicas, segundo ele, são as barrigas de cães e as orelhas de elefantes e lebres.

De acordo com Andrade, especula-se que outros pássaros também poderiam utilizar o bico para a regulagem da temperatura corporal. “Há evidências de que três espécies de patos e marrecos utilizem o bico para regular o calor. Mas o tamanho do bico do tucano faz com que esse procedimento seja muito eficiente para ele”, disse.

Segundo o pesquisador, os pássaros não suam. Como os cães, eles ofegam quando a temperatura aumenta demais. “Quando a temperatura sobe, o tucano começa a jogar o calor fora pelo bico. Se aumentar acima de certo ponto, ele abre o bico e começa a ofegar”, explicou.

O artigo Heat Exchange from the Toucan Bill Reveals a Controllable Vascular Thermal Radiator, de Glenn Tattersall, Denis Andrade e Augusto Abe, pode ser lido por assinantes da Science em www.sciencemag.org.

Por Fábio de Castro | Agência FAPESP


Material jornalístico passível de direitos autorais.
Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes.
Antes de reproduzir por qualquer meio, consulte sobre autorização
Leia também nossos Termos de Uso e Serviço
Preços, prazos e links podem sofrer alteração e correpondem ao dia em que o material foi publicado

FarolCom no Pinterest
Ciência, Pesquisa e Tecnologia
Brasil no Google Maps
Meteorologia