Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

#zikazero | CLIQUE AQUI, SAIBA MAIS E PARTICIPE | #zikazero
A sociedade mobilizada para vencer a luta contra o mosquito

Inovação | Navios Pesquisa| Luz Síncrotron

Instituto Eu Quero Viver
sábado, 11 abril, 2015 - 23h16

Produção de celulose mais eficiente

   

O setor celulósico brasileiro é um dos mais produtivos do mundo, ocupando o posto de quarto maior produtor, com destaque para o segmento de fibra curta, obtido a partir de espécies de eucalipto.

“O processo dominante no Brasil e no mundo para produção de polpa celulósica é o kraft, totalmente consolidado e difundido”, explica o engenheiro florestal Magnos Alan Vivian, autor de um estudo que propõe um procedimento que poderá ser agregado a tal processo como pré-tratamento de cavacos de madeira.

“O foco principal do trabalho foi encontrar um pré-tratamento eficiente para extrair parte da lignina presente nos cavacos de madeira de eucalipto, com intuito de otimizar os processos de polpação e branqueamento subsequentes, a partir da redução da necessidade de reagentes químicos, bem como melhorar a qualidade da celulose produzida”, explica Magnos.

Magnos Alan Vivian
Preparo da solução de SXS

A pesquisa teve orientação de Francides Gomes da Silva Júnior, professor do Departamento de Ciências Florestais da ESALQ, com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

As etapas foram desenvolvidas no Laboratório de Química, Celulose e Energia (LQCE) da Escola e, além da coordenação do professor Francides, teve parceria com o Laboratory of Fibre and Cellulose Technology, da Åbo Akademi University, da Finlândia, a partir de colaboração do professor Pedro Fardim. “Para viabilizar o pré-tratamento utilizamos o xilenosulfonato de sódio (SXS), que é um composto salino que aumenta a solubilidade de moléculas orgânicas, aplicado por meio da combinação de diferentes concentrações, tempos e temperaturas, visando encontrar um ponto ótimo para remoção de lignina”, detalha o pesquisador.

Segundo Magnos, o SXS apresenta inúmeras vantagens, que podem ser atrativas para o setor industrial, entre as quais podem-se citar sua característica de não ser incrustante, não ser corrosivo, não exalar odor desagradável, baixa volatilidade, baixa inflamabilidade, alta seletividade, biodegradável e fácil recuperação.

Além do aumento da eficiência do processo com a redução da necessidade de reagentes, o estudo buscou incrementar a qualidade da polpa celulósica, pois com a aplicação de menos reagentes, ou seja, condições mais brandas de cozimento, foi possível reduzir o impacto deste sobre as fibras, possibilitando a obtenção de celulose de melhor qualidade.

“O pré-tratamento com xilenosulfonato de sódio permitiu extrair até 39,6 % da lignina presente na madeira de E. grandis x E. urophylla, reduzindo em 34,8 % a carga alcalina necessária no processo de polpação, aumentando em 13,0 % a branqueabilidade da polpa celulósica, quando comparado com os cavacos normais. O pré-tratamento também reduziu o teor de ácidos hexenurônicos e aumentou a viscosidade da polpa celulósica”, explica Magnos.

Subproduto – Atualmente o principal destino da lignina extraída durante o processo de produção de celulose é a geração de energia para a fábrica, por meio da queima do licor negro, devido seu elevado poder calorífico. De acordo com a Associação Brasileira de Celulose e Papel (Bracelpa) 66,2 % da matriz energética da indústria de celulose e papel é gerada pela queima do licor negro.

Segundo a pesquisa, com a possibilidade da sua extração a partir de pré-tratamento é possível maximizar o uso dos compostos da madeira, já que poderá, dessa forma, ser recuperada e empregada na fabricação de novos produtos, tais como tintas, adesivos, e outros por meio da biorefinaria. “O composto em questão é uma alternativa para o setor celulósico, pois alia características benéficas deste (biodegradável, inodoro, não incrustante, não corrosivo, baixa volatilidade, baixa inflamabilidade, fácil recuperação e alta seletividade), à redução do consumo de reagentes nos processos de polpação e branqueamento”, finaliza o autor da pesquisa.

Caio Albuquerque | Esalq

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest