Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

#zikazero | CLIQUE AQUI, SAIBA MAIS E PARTICIPE | #zikazero
A sociedade mobilizada para vencer a luta contra o mosquito

Inovação | Navios Pesquisa| Luz Síncrotron

Instituto Eu Quero Viver
terça-feira, 26 maio, 2015 - 9h40

Composto natural é testado contra leishmaniose e doença de Chagas

Um composto natural isolado de árvores da espécie Nectandra leucantha, popularmente conhecida como canela-seca ou canela-branca, apresentou em experimentos in vitro atividade antiparasitária e anti-inflamatória com potencial aplicação no tratamento da leishmaniose visceral e da doença de Chagas.

   

A pesquisa está sendo desenvolvida com apoio da FAPESP por meio de uma colaboração entre Instituto Adolfo Lutz (IAL), Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e Ohio State University, nos Estados Unidos. Parte dos resultados foi divulgada em abril no Journal of Natural Products.

“Se a molécula demonstrar eficácia e segurança também nos ensaios pré-clínicos in vivo, poderá servir de protótipo para o desenvolvimento de um novo fármaco”, disse André Gustavo Tempone, pesquisador do IAL.

Pertencente ao grupo dos lignóides (dímeros de fenilpropanoides), o composto foi isolado durante o doutorado de Simone S. Grecco, realizado concomitantemente no Centro de Ciências Naturais e Humanas da Universidade Federal do ABC (UFABC) e no Instituto de Ciências Ambientais, Químicas e Farmacêuticas da Unifesp, sob orientação do professor Joao Henrique Ghilardi Lago.

divulgação
Substância isolada de árvores da espécie Nectandra leucantha, típica da Mata Atlântica, apresentou atividade antiparasitária e anti-inflamatória em ensaios in vitro

O trabalho integrou o projeto “Uso sustentável da biodiversidade de áreas remanescentes da Mata Atlântica do Estado de São Paulo: avaliação, isolamento e caracterização molecular de metabólitos secundários bioativos em espécies vegetais”, apoiado pela FAPESP e coordenado por Lago.

“Já de início o composto se mostrou interessante, pois foi possível isolar uma grande quantidade em laboratório. Em pesquisas de produtos naturais, o comum é obter alguns poucos miligramas da substância ativa, mas o grupo da Unifesp conseguiu obtê-la na escala de gramas, o que facilita muito a realização dos testes pré-clínicos”, contou Tempone.

Nos primeiros experimentos feitos no IAL sob a coordenação de Tempone, a substância se mostrou capaz de matar parasitas das espécies Leishmania infantum (causadora da leishmaniose visceral) e Trypanosoma cruzi (causadora da doença de Chagas), sem apresentar grande toxicidade para as células de mamífero.

Graças a uma parceria com o professor Abhay Satoskar, da Ohio State University, a estudante de pós-doutorado Thaís Alves da Costa-Silva foi para os Estados Unidos investigar o efeito do composto sobre células do sistema imunológico.

Costa-Silva infectou macrófagos de camundongos com parasitas da espécie Leishmania donovani, também causadora de leishmaniose visceral e comum em países da Ásia. Em seguida, tratou as culturas com o lignoide e avaliou a produção de moléculas inflamatórias que costumam ser liberadas pelas células de defesa durante o combate a patógenos.

“Além da atividade antiparasitária que já havíamos demonstrado aqui no Brasil contra a L. infantum e o T. cruzi, ela também observou nos macrófagos uma menor produção de duas diferentes citocinas inflamatórias: a interleucina-6 (IL6) e a interleucina-10 (IL10). Essas moléculas costumam exacerbar a doença, pois fazem com que o sistema imunológico ataque os tecidos do próprio organismo na tentativa de combater o parasita. O composto tem, portanto, uma dupla ação”, explicou Tempone.

Testes in vivo

O passo seguinte do processo de desenvolvimento de fármacos é avaliar a eficácia e a segurança da molécula candidata em estudos com animais. Para aumentar as chances de sucesso, porém, Tempone pretende antes realizar estudos de farmacocinética e farmacodinâmica.

Entre outros fatores, esses estudos têm o objetivo de descobrir como o composto é metabolizado no organismo, quanto tempo leva para ser degradado e quais as substâncias resultantes após sua metabolização.

“Esses resultados podem ajudar a planejar melhor os testes pré-clínicos, como determinar a dose mais adequada e quantas vezes ao dia o composto deve ser administrado. Dessa forma conseguiremos minimizar o uso de animais”, disse o pesquisador.

No momento, o grupo também realiza testes in vitro para descobrir por qual mecanismo de ação o lignoide mata os parasitas. No futuro, se o composto se mostrar eficaz também in vivo, eles pretendem desenvolver análogos sintéticos com uma ação potencializada.

“Outra grande vantagem da molécula isolada da Nectandra leucantha é possuir uma estrutura química relativamente simples, o que facilitaria a criação de uma versão sintética. Isso é desejável quando se pensa em escalonar a produção na indústria farmacêutica, pois torna o processo economicamente viável”, afirmou.

Tanto a leishmaniose quanto Chagas são consideradas doenças negligenciadas, ou seja, são endêmicas em populações de baixa renda, principalmente em regiões tropicais, e recebem pouco investimento em pesquisas voltadas a melhorar o tratamento ou a prevenção.

Segundo dados publicados no artigo, mais de 90% dos casos de leishmaniose visceral estão concentrados na Índia, Bangladesh, Nepal, Sudão, Sudão do Sul e Brasil. Se não tratada, a doença causa a morte de praticamente todos os infectados. O tratamento atual é feito com drogas altamente tóxicas, como a anfotericina B e antimônio.

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) estimam a existência de 12 milhões de portadores da doença causada pelo T. cruzi nas Américas, sendo que entre 2 e 3 milhões estão no Brasil. O tratamento com benzonidazol também é considerado tóxico e pouco eficaz.

O artigo Immunomodulatory and Antileishmanial Activity of Phenylpropanoid Dimers Isolated from Nectandra leucantha (doi: 10.1021/np500809a) pode ser lido aqui.

Karina Toledo | Agência FAPESP

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest