Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Cultura | Livros | Lazer | ViverBem

Ecopontos, Feiras-Livres e outros serviços em Uberlândia
Quinta-feira, 17 Abril, 2014 21:51

Vídeos de coletivos culturais ressignificam a "cidade"

Marcos Santos / USP Imagens
Vídeo promove formas de solidariedade e associativismo

Uma pesquisa etnográfica, realizada entre março de 2009 e agosto de 2013, mostrou que coletivos midiativistas originados em áreas periféricas de São Paulo estimulam o desenvolvimento de reflexões críticas sobre os modos de representação e gestão dos espaços urbanos.

A conclusão surgiu da tese de doutorado Reinventando a 'cidade': disputas simbólicas em torno da produção e exibição audiovisual de 'coletivos culturais' em São Paulo, de Guilhermo Aderaldo, defendida em outubro de 2013, na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP.

O foco da análise foi o Coletivo de Vídeo Popular (CVP), uma rede integrada por diversas associações coletivas dedicadas à produção e exibição audiovisual em lugares marcados por processos de precarização sócio urbana.

"O uso do vídeo, como ferramenta de intervenção urbana, teve como objetivo promover formas de solidariedade e associativismo mais alargadas, pautadas pela crítica ao modelo urbanístico que marginaliza grande parte da população. A intenção desses coletivos, portanto, não pode ser confundida com um simples desejo de celebração de uma 'identidade cultural periférica', como diz parte da literatura acadêmica", pontua Aderaldo.

No estudo, o pesquisador evitou o uso de termos como "periferia", "centro" e "cidade", pois um de seus objetivos foi observar como estes termos eram empregados pelas pessoas pesquisadas em diferentes contextos. A ideia de "cidade", por exemplo, não pode ser considerada de forma auto-evidente, pois nem sempre é pautada pelos mesmos referenciais urbanísticos. Mesmo na administração pública, diferentes noções de "cidade" disputam espaço. "Muitas forças estão agindo dentro das esferas do poder público e estão representando a 'cidade' de maneiras distintas, o que acaba se refletindo no modo como diferentes instâncias lidam com as intervenções urbanas", afirma Aderaldo. "Houve, por exemplo, o caso de um coletivo que ganhou um edital público para fazer grafites em determinadas áreas urbanas. Após receberem a verba, eles fizeram a arte e funcionários terceirizados da mesma prefeitura apagaram os trabalhos. Em reação, eles escreveram nos muros frases como 'Prefeitura paga e apaga'", completa.

Contexto político-cultural

"No início dos anos 2000, diante de diversas crises do mundo do trabalho a gestão cultural tornou-se uma das prioridades dentre as políticas públicas voltadas à administração das cidades", explica o pesquisador. "Houve uma série de mudanças na concepção de políticas culturais. Uma das principais foi a incorporação de uma referência mais ampla do conceito de 'cultura'. Ele deixou de ser pensado somente como sinônimo de conhecimento especializado e erudito e passou a englobar costumes e modos de vida de setores socialmente desfavorecidos".

A partir desta mudança, diversos grupos que não tinham acesso a recursos relacionados a programas culturais passaram a tê-lo. "O meu interesse foi, então, entender como a relativa democratização do acesso às novas tecnologias comunicativas (como câmeras, gravadores e computadores), num contexto marcado por esses avanços nas políticas sociais e culturais, passou a afetar a trama social e urbana", descreve.

Ainda sobre a referida modificação dos paradigmas de muitas políticas culturais, o pesquisador considera que um dos principais desdobramentos deste processo foi o fato de que uma expressiva parcela das populações menos favorecidas passou a ter condições de produzir bens simbólicos sem ficar dependentes das ONGs e outras instituições . "É comum que essas instituições reforcem uma visão dualista de cidade, na qual entende-se 'periferia' e 'centro' como mundos sociais estanques e não como partes de um mesmo processo. Neste sentido, uma das principais críticas que ouvi em relação às ONGs é a de que elas, normalmente, se beneficiam desta visão dicotômica, pois existe um mercado voltado ao financiamento das chamadas 'ações culturais na periferia', que tende a estetizar e despolitizar os debates públicos sobre a desigualdade urbana".

Desdobramentos

A partir deste conhecimento, Aderaldo afirma ser possível elaborar reflexões mais apuradas sobre o uso de conceitos como o de "periferia". De acordo com o pesquisador, "não se pode fazer uma pesquisa partindo-se de uma concepção prévia deste conceito, pois os próprios atores comumente associados às regiões periféricas costumam alargar suas redes de sociabilidade e fazer usos diversos do mesmo, de acordo com os diferentes interesses em jogo", diz ele.

Por Otavio Nadaleto | Agência USP

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest