Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Cultura | Livros | Lazer | ViverBem

Ecopontos, Feiras-Livres e outros serviços em Uberlândia
Segunda-feira, 5 Maio, 2014 22:27

Exposição resgata a trajetória do escultor László Zinner

Divulgação
Estarão expostas 32 esculturas e 12 desenhos do escultor húngaro

No dia 10 de maio, na Casa da Fazenda, no Morumbi, em São Paulo, será inaugurada a exposição "Ateliê Universalista", onde serão expostas 32 esculturas e 12 desenhos do escultor e desenhista judeu László Zinner.

A curadoria é da professora Maria Luiza Tucci Carneiro, do Laboratório de Estudos sobre Etnicidade, Racismo e Discriminação (LEER) da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP.

A mostra resgata a trajetória artística e humana do escultor e desenhista, que é responsável pela criação da estatueta que dá forma ao Prêmio Juca Pato, concedido a intelectuais brasileiros.

László Zinner nasceu em 1908, em Dömos (Hungria), mas o antissemitismo presente em seu país e em outras nações europeias o obrigou a mudar de cidade ao longo da vida. Na década de 1920, foi para Budapeste rumo a Bruxelas, depois Paris, Madrid, Tanger, Lisboa, até chegar ao Rio de Janeiro, em 1946, e se fixar, posteriormente, em São Paulo, onde viveu até o final da vida, em 1977.

Naturalizado brasileiro, Zinner criou bustos e esculturas de califas (Mulei el Hassan Ben el Mehdi), presidentes (John F. Kennedy) e cantores (Frank Sinatra), entre outros, além de eternizar, com suas esculturas e desenhos, imagens de pessoas comuns. Zinner também foi professor de modelagem e um grande divulgador do esperanto.

Divulgação
Clique para ampliar
Álbum-portfólio de Zinner: notícias do Prêmio Juca Pato

"A trajetória de László Zinner como artista somente pode ser entendida quando se estuda também a história política da Hungria e da Europa dentro do contexto do antissemitismo e da ascensão do nazismo", explica a professora. "A trajetória de vida coincide com aquela percorrida

por outros milhares de refugiados expulsos de seus países pelo nazismo e pelo antissemitismo e que, assim como ele, tiveram familiares assassinados em campos de concentração", completa Maria Luiza, que é a coordenadora do Arquivo Virtual do Holocausto (Arqshoah), projeto do LEER e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) que reúne depoimentos de sobreviventes do Holocausto, assim como objetos pessoais e documentos dos refugiados do nazifascismo.

Filho de pai católico e mãe judia, Zinner se converteu ao catolicismo em sua passagem por Lisboa. "Omitir sua origem judaica foi uma estratégia de sobrevivência", explica a professora. Ela lembra que, entre 1933 e 1948, o governo brasileiro emitiu várias circulares secretas que dificultavam ou mesmo impediam a entrada de judeus no Brasil. Centenas de refugiados receberam vistos na condição de católicos ou como turistas em trânsito.

A exposição vai reproduzir a oficina de trabalho do artista, bem como disponibilizar uma cópia digitalizada do álbum-portfólio que Zinner construiu ao longo da vida com mensagens de autoridades e amigos, e recortes de jornais e revistas com notícias sobre a sua trajetória enquanto escultor e desenhista, publicados pela imprensa das diversas cidades onde morou. "Detalhes da trajetória de László Zinner foram recuperados com base neste álbum-portfólio, uma peça única da sua história de vida."

Divulgação
Clique para ampliar
No Marrocos, Zinner produziu desenhos de personagens locais

Anônimos, califas, generais e Kennedy

A vida de Zinner foi marcada por convites especiais para retratar personalidades: o califa Mulei el Hassan Ben el Mehdi (alteza imperial do Marrocos, em 1943); o tenente general Don Luiz Rogaz y Yoldi (alto comissário da Espanha em Marrocos, em 1943); Don Antonio Yuste (ex-governador militar de Tânger, em 1941); do general Don Genaro Uriarte (ex-governador militar de Tânger, em 1943), do bispo de Gallipolis de Marrocos, em 1943; e do ex-governador do Estado de São Paulo, Ademar de Barros (1949), e de vários reitores do Mackenzie onde lecionou durante décadas, dentre outros.

É dele também a autoria de uma escultura de John F. Kennedy abraçando um menino negro e que foi entregue ao presidente americano em outubro de 1963 na Casa Branca, em Washington, Estados Unidos, por uma comitiva brasileira.

Divulgação
Clique para ampliar
Perfeição de detalhes na escultura do presidente Kennedy

László Zinner participou de inúmeras exposições individuais e coletivas nas cidades por onde passou sendo agraciado com importantes prêmios e medalhas em reconhecimento à sua arte. Em São Paulo, em 1950, participou da Exposição de Artes Plásticas da Reitoria da USP, recebendo o primeiro prêmio de escultura desta mostra.

Em Tanger, lecionou modelagem. Em São Paulo, a convite do arquiteto Christiano Stockller das Neves, foi professor de modelagem e artes plásticas no Mackenzie, além de coordenar o curso de Desenho e Plástica e de ter sido um dos fundadores dos cursos de Artes Plásticas da instituição.

Uma cópia do passaporte de Zinner já foi doada para o Arqshoah e sua trajetória estará disponível no catálogo da exposição e no site do projeto. Uma cópia digitalizada do Processo de Naturalização de László Zinner está sendo enviada pelo Arquivo Nacional do Rio de Janeiro, parceiro do projeto "De apátrida à cidadão brasileiro", coordenado pela professora Maria Luiza.

A exposição pode ser visitada de 10 de maio (abertura) a 10 de junho, de terça a sábado, das 11 às 18 horas, na Casa da Fazenda (Av. Morumbi, 5594, Morumbi). Visitas monitoradas podem ser agendadas pelo email [email protected]

Por Valéria Dias | Agência USP

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest