Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Ambiente | Energia | Lixo | Água | Mariana

Ecopontos, Feiras-Livres e outros serviços em Uberlândia
quinta-feira, 19 novembro, 2015 - 21h48 | TRAGÉDIA EM MARIANA

Comissão cobra providências sobre situação de barragens

Parlamentares pediram explicações à Samarco sobre risco de rompimento das duas barragens remanescentes em Mariana

   

Parlamentares reuniram-se nesta quinta-feira (19/11/15) com a diretoria da mineradora Samarco, no escritório das minas de Germano e Santarém, em Mariana (Região Central), para pedir providências com relação à possibilidade de rompimento das duas barragens remanescentes após a tragédia do último dia 5, após o rompimento da Barragem de Fundão.

A visita da Comissão Extraordinária das Barragens da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) incluiria ainda visita às barragens e a Barra Longa, vizinho a Mariana, para verificar as condições do município, mas, devido ao mau tempo, a programação restringiu-se à reunião.

Participaram dela os deputados Agostinho Patrus Filho (PV), presidente da Comissão, Tito Torres (PSDB), Iran Barbosa (PMDB), Rogério Correia (PT), Gustavo Valadares (PSDB), Gustavo Corrêa (DEM), Celinho do Sinttrocel (PCdoB) e Thiago Cota (PPS). Agostinho Patrus Filho frisou os grandes esforços que a empresa têm feito para impedir que as outras duas barragens, impactadas pelo primeiro rompimento, também apresentem problemas. “O presidente da Samarco foi muito direto nas suas colocações, dizendo que a empresa, se necessário, gastará todo o recurso que tem para atender as pessoas e para melhorar de novo o meio ambiente, que foi tão afetado”, afirmou.

Pollyanna Maliniak | ALMG/arquivo
Parlamentares apontam diversas questões relacionadas ao desastre e que necessitam ser avaliadas e debatidas. - Foto: Pollyanna Maliniak | ALMG
Parlamentares apontam diversas questões relacionadas ao desastre e que necessitam ser avaliadas e debatidas

Germano e Santarém estão com níveis de segurança abaixo dos padrões e o risco de rompimento é grande. Conforme a Comissão apurou, a empresa está trabalhando para estabilizar as barragens, trazendo os melhores especialistas em georreferenciamento do mundo para atuar no local. Equipamentos de ponta e toda a tecnologia disponível está sendo utilizada no local. “Nós, como deputados, temos que entender as questões técnicas. Nos apresentaram que, o prazo que precisam, mesmo trabalhando de manhã, à tarde e à noite, é um prazo de 45 dias para que seja feita a contenção dessas barragens, para que o risco que hoje existe delas se romperem, possa ser completamente afastado”, afirmou o presidente da Comissão.

O parlamentar explicou também que os próximos passos da Comissão envolverão audiência pública em Governador Valadares (Vale do Rio Doce) na próxima segunda-feira (23) - município seriamente afetado devido ao comprometimento das águas do Rio Doce -, a ida de representantes da Samarco à ALMG para audiência pública e remarcação da visita às barragens e a Barra Longa. “O que a Comissão entende é que nós temos que ter um pouco mais de estudos técnicos para que possamos ter uma reunião produtiva. Não adianta ouvirmos o presidente sem termos os dados técnicos, para que o questionamento seja efetivo”, ponderou Agostinho Patrus Filho.

O presidente afirmou, ainda, o compromisso da Comissão das Barragens de apurar todas as informações de maneira independente, funcionando inclusive nos meses de dezembro e janeiro, mesmo durante o recesso da Casa. “As informações serão apuradas por técnicos do Ministério Público e técnicos da Secretaria de Meio Ambiente e, em conjunto, teremos acesso à esse conhecimento. Já estabelecemos uma parceria, tanto com o Ministério Público quanto com o Governo do Estado e com o Tribunal de Justiça, para uma atuação conjunta. Além disso, a Assembleia vai criar um site na qual irá divulgar todas essas informações, não só para a imprensa, como também para que a população possa ter acesso a tudo que estamos recebendo”, destacou.

Rio Doce - O deputado Agostinho Patrus Filho explicou também que a Samarco irá contratar uma empresa para estudar os impactos ambientais da contaminação do Rio Doce. Esses dados serão apresentados à Comissão, ao Ministério Público e serão avaliados pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). “Não tenho dúvidas de que esse seja o maior desastre ambiental que o país já teve. Por isso, há a necessidade da consultoria para sabermos o que pode acontecer, não com relação ao que aconteceu essa semana, que faltou água, e sim ao que pode acontecer à biodiversidade nos próximos anos”, finalizou.

Imprensa ALMG

Veja outras notícias sobre:

Desastre Ambiental em Mariana

Caderno Meio Ambiente

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest