Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Ambiente | Energia | Lixo | Água | Mariana

Ecopontos, Feiras-Livres e outros serviços em Uberlândia
terça-feira, 22 dezembro, 2015 - 7h57 | TRAGÉDIA EM MARIANA

MP atribui desastre em Mariana a omissões no licenciamento

Órgão vai abrir inquérito para apurar também a responsabilidade da Vale, além da Samarco, no rompimento da barragem

   

O grande número de omissões no tocante ao cumprimento de condicionantes de segurança e a flexibilização no processo de licenciamento ambiental para a operação das barragens de rejeitos de minério de ferro da Samarco, em Mariana (Região Central do Estado), são apontados pelo Ministério Público (MP) estadual como fatores que possivelmente podem ter contribuído para o rompimento da barragem de Fundão, no último dia 5 de novembro.

A relação foi feita pelo representante do MP, promotor Carlos Eduardo Ferreira Pinto, durante audiência pública da Comissão Extraordinária das Barragens da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), na tarde desta segunda-feira (21/12/15).

Raíla Melo | ALMG
Audiência da Comissão Extraordinária de Barragens contou com presença de autoridades e representantes da empresa - Foto: Raíla Melo | ALMG
Audiência da Comissão Extraordinária de Barragens contou com presença de autoridades e representantes da empresa

Na primeira semana de janeiro, o MP estadual vai instaurar inquérito específico para apurar a responsabilidade da Vale sobre o desastre, considerando que a Vale é uma das empresas controladoras da Samarco, junto com a BHP Billiton, informou o promotor. “O processo de licenciamento da barragem de Fundão contém diversas irregularidades e ilegalidades ligadas ao cumprimento das condicionantes de segurança”, disse ele, questionando contrato apontado entre a Samarco e a Vale, em 1989, pelo qual a Samarco se responsabilizaria pelo descarte de parte dos rejeitos produzidos por empreendimento da Vale. “Em 1989, nem havia a barragem de Fundão. Como pode ter um contrato prevendo uma relação futura?”, indagou.

“Descartamos a hipótese de acidente. Nossa investigação caminha no sentido de apuração dos objetivos que levaram ao rompimento. E relacionamos o ocorrido às omissões e flexibilização com que esse licenciamento foi concedido. Se tivessem sido tomadas todas as providências necessárias a seu tempo, provavelmente não haveria o rompimento”, disse o promotor, acrescentando ainda que requisitou informações à empresa Samarco sobre o cumprimento das condicionantes de segurança e não obteve retorno.

“O licenciamento poderia ser um instrumento de segurança e nesse caso não foi o que ocorreu”, lamentou Carlos Eduardo Ferreira Pinto, que é coordenador-geral das Promotorias de Meio Ambiente por Bacias Hidrográficas do Estado de Minas Gerais e coordenador do Núcleo de Resolução de Conflitos Ambientais do Ministério Público de Minas Gerais. “A omissão no processo de monitoramento pode não ser o motivo do rompimento, mas é um fator relevante a ser considerado”, concluiu. Para ele, o automonitoramento das empresas mineradoras é insuficiente. “Precisamos de monitoramento externo, feito por estruturas independentes. A sociedade hoje não aceita meias verdades ou omissões”, afirmou.

A reunião foi solicitada pelos deputados que integram a comissão extraordinária com o objetivo de debater a situação do empreendimento da Samarco em Mariana, bem como a regularidade do licenciamento ambiental, a fiscalização e as consequências legais, ambientais e humanas decorrentes do rompimento da barragem de Fundão. O episódio resultou em uma avalanche de lama de rejeitos, na destruição total do povoado de Bento Rodrigues de Mariana e em prejuízos graves para outras comunidades e municípios. O desastre deixou um rastro de morte e destruição, comprometendo também as águas do Rio Doce até o Oceano Atlântico, com consequências desastrosas para municípios de Minas Gerais e do Espírito Santo.

Relator questiona ações sociais e ambientais

Depois de fazer um balanço sobre a situação, apontando dados sobre o faturamento e o lucro líquido das empresas envolvidas e os danos causados pelo rompimento da barragem, o relator da comissão, deputado Rogério Correia (PT), quis saber dos representantes da Samarco e da Vale se eles já tinham uma resposta sobre qual teria sido a causa do desastre. Ele indagou também diversas questões relacionadas ao atendimento às vítimas, do ponto de vista social e econômico, e sobre ações mitigadoras relacionadas aos danos causados ao meio ambiente.

Segundo o relator, o lucro líquido da Samarco, em 2014, foi de R$ 2,8 bilhões. E acrescentou que seus ativos totais “saltaram de R$ 5,5 bilhões, em 2010, para R$ 19,6 bilhões, em 2015, com um patrimônio líquido que evoluiu de R$ 1,4 bilhão, em 2010, para R$ 4,3 bilhões, em 2015”. Ainda segundo o parlamentar, a produção de pelotas de ferro por parte da Samarco, em 2014, foi de 24 milhões de toneladas. Já a Vale, disse, apresentou uma receita operacional líquida de US$ 37,5 bilhões, em 2014, e um lucro líquido de US$ 353 milhões no mesmo ano.

Com base nesses dados, indagou sobre a possibilidade de indenização às vítimas do que considerou “a maior tragédia ecológica e social nesse ramo, no Brasil”.

Os deputados Gustavo Correa (DEM) e Gustavo Valadares (PSDB) criticaram a falta de estrutura do Estado para os processos de licenciamento ambiental e chamaram a atenção para a necessidade de se aprimorar o processo de licenciamento para evitar novas tragédias.

A deputada Marília Campos (PT) manifestou preocupação com o tratamento que está sendo dispensado aos pescadores e comunidades ribeirinhas que sobrevivem em função da bacia do Rio Doce. Ela perguntou qual a metodologia que está sendo adotada para o processo de indenização desses trabalhadores.

Natural de Governador Valadares (Vale do Rio Doce), um dos municípios mais afetados pelo desastre ambiental, a deputada Celise Laviola (PMDB), que é também agricultora no município de Conselheiro Pena, quis saber se a Samarco pretende buscar fontes alternativas de captação de água, devido à contaminação da água do Rio Doce que abastece a região. Ela se queixou também que, de 140 famílias afetadas pelo desastre em Conselheiro Pena, apenas 14 teriam recebido cartões da Samarco para poderem receber recursos financeiros. E condenou ainda o fato de a empresa ter determinado que os trabalhadores do município de Resplendor operem com a rede bancária de Colatina, no Espírito Santo. “A propaganda da Samarco não condiz com a situação do Vale do Rio Doce. A Samarco não está atendendo a população ribeirinha”, criticou.

Empresa se defende e responde questionamentos

Em resposta aos questionamentos dos parlamentares, os representantes da Samarco afirmaram que, por acordo firmado com o Ministério Público do Trabalho, em instância federal, a empresa já cadastrou mais de mil famílias, que estariam recebendo desde o último dia 5 de dezembro, mediante cartão. Segundo a empresa, o pagamento está sendo pago retroativamente à data do rompimento da barragem, 5 de novembro.

O coordendor técnico socioinstitucional da Samarco, Estaneslau Leonor Klein, afirmou que a empresa adota “uma governança de direitos humanos de longa data” e participa do pacto global da ONU no que tange a práticas de direitos humanos. Disse ainda que todas as famílias afetadas pelo desastre estão sendo atendidas pela empresa, tanto do ponto de vista econômico como do ponto de vista psicossocial, com participação de médicos, assistentes sociais e psicólogos. “Seguimos todos os referenciais internacionais e os protocolos internacionais para abrigo, saúde, moradia e acesso à água”, disse o executivo, mencionando também o auxílio financeiro emergencial por meio de cartões. Acrescentou ainda que a empresa também está empenhada no plano de recuperação dos locais atingidos pela lama, já tendo restabelecido os acessos às comunidades, além de estar reconstruindo as sete pontes destruídas pela avalanche. Dessas, três já foram totalmente reconstruídas, disse.

No tocante aos danos ao meio ambiente, o diretor de operações da Samarco, Cleber Luiz de Mendonça, afirmou que a empresa está cumprindo todas as determinações legais, mas frisou que a legislação ambiental preconiza tipos de licenciamento diferenciados para cada empreendimento e cada etapa do empreendimento.

O gerente geral de Meio Ambiente da Samarco, Márcio Isaías Perdigão Mendes, reforçou que a empresa tem trabalhado na recuperação das áreas impactadas e no resgate de animais, principalmente silvestres, já tendo estabelecido 177 pontos de monitoramento de água e sedimentos. No tocante ao Rio Doce, afirmou que estão trabalhando com 22 pontos de monitoramento diário de turbidez da água, visando ao abastecimento dos municípios servidos pela bacia hidrográfica.

No que diz respeito às estruturas das barragens da Samarco, José Bernardo Vasconcelos, engenheiro civil geotécnico da empresa, disse que a empresa está trabalhando muito nos reforços das barragens de Germano e Santarém.

Consulte resultado da reunião.

Imprensa ALMG

Veja outras notícias sobre:

Desastre Ambiental em Mariana

Caderno Meio Ambiente

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest