Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Instituto Eu Quero Viver
quinta-feira, 13 junho, 2013 11:01

O medo da mudança

Marcio Karsten/Divulgação
O ser humano tende a mudar somente depois que algo lhe impacta profundamente

Já teorizou o estudioso Maslow, cujo estudo continua válido, que o ser humano possui uma hierarquia de necessidades que devem ser atendidas e, caso não atendidas, não se passa a uma nova “fase” da vida.

A mais básicas das necessidades de Maslow é a segurança. Seja um local para viver para alguns ou a estabilidade financeira para outras, todos possuem seu calcanhar de Aquiles no que tange à segurança.

Alguns possuem apego a emprego ou um relacionamento, considerando este um porto seguro para sua vida, forçando sua permanência em uma situação, por vezes, instável e onerosa (psicologicamente falando) com medo de mudar, medo de sair de sua zona de conforto.

Para estas pessoas, falta planejamento, visão de futuro e observação ao cenário à sua volta e o quanto ele está mudando.

O ser humano tende a mudar somente depois que algo lhe impacta profundamente, exigindo uma reformulação drástica no modus operandi do cidadão em questão.

O mesmo vale para as empresas, onde impera a tal “cultura organizacional”, o “sempre foi feito assim”.

Empresas, pior do que pessoas, são um acúmulo de decisões, que dependem de outra hierarquia, a de cargos, onde pessoas são superiores ou subalternos e, até que as decisões sejam tomadas, o “telefone sem fio” e o “rádio peão” desvirtuam a informação.

Isso acontece, principalmente, nas empresas que estão em sua Zona de Conforto própria. Se pensarmos em consideração ao ciclo de vida, estão em fase de maturidade, com baixo crescimento (verdadeiras vacas Leiteiras, em uma análise BCG), mas grande participação no mercado. Têm medo de investir para não prejudicar os lucros, medo de mudar para não machucar os envolvidos.

São empresas em que, só de se cogitar em realizar um planejamento estratégico, muitas pessoas da liderança já começam a sentir urticárias. É doloroso, pois pensar é doloroso. Encarar os problemas de uma empresa em que tudo parece perfeito é doloroso. Ouvir duras verdades sobre a casa de palha que se criou é cruel para o sentimento, depois de tanto esforço em se criar esta empresa.

Porém, fica um aviso: o quanto antes se iniciar este processo, melhor para a empresa, mais saudável para a organização. Duras verdades geram grandes motivações para a mudança. Mexem com o conforto das pessoas e elas veem que estão sentadas em ovos e, qualquer movimento, pode quebra-los.

Os que se sentirem demasiado incomodados, tendem a mudar (para melhor ou para outra empresa). Os líderes tendem a gostar do resultado. Mas, não é um trabalho fácil. É preciso persistência, sagacidade, teimosia e coragem.

Muitos dos objetivos dos primeiros planejamentos não serão executados, faltam outras prioridades serem atendidas, a empresa não está preparada. Mas, depois dos ajustes e, com o passar o tempo, a tendência é incutir nas pessoas o sentimento de incômodo com a Zona de Conforto, a necessidade, o espírito da mudança constante. Este é o melhor resultado que uma filosofia de planejamento estratégico pode trazer às organizações e, às pessoas.

Até a próxima.

Leia outros artigos de Marcio Karsten
Márcio Karsten Administrador com especialização em MBA Empresarial. Atua como consultor de empresas nas áreas de Estratégia Empresarial e Marketing, já tendo atendido organizações de diversos segmentos e portes. É, também, professor em cursos técnicos, palestrante, conferencista e articulista, com diversos textos publicados em sites e revistas especializadas.

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest