Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Instituto Eu Quero Viver
quinta-feira, 11 julho, 2013 10:41

É hora de planejar?

Marcio Karsten | ilustração
Planejamentos podem ser elaborados em qualquer mês do ano. Aproveite as variáveis, os horários vagos, a época de baixa sazonalidade. Não sature sua equipe

Inicia-se o segundo semestre, momento em que a maioria das empresas começa a pensar no planejamento estratégico para o ano que se aproxima, que provavelmente será elaborado em um final de semana, fora das instalações – em um hotel – com alguns elementos da equipe da empresa (dependendo do tamanho da empresa, toda a equipe).

A introdução acima faz o planejamento estratégico ser uma grande festa envolvendo a equipe da empresa (ou alguns de seus integrantes), para resolverem, em discussões vigorosas, o destino da empresa. Não se engane por ele, apesar de ser o modelo tradicionalmente adotado por várias empresas para elaborar seu planejamento estratégico.

OK. Vamos analisar algumas partes daquela introdução e tentar minimizar seus maléficos efeitos. Vamos às verdades.

Primeira questão: elaborar o planejamento estratégico em um final de semana não é o mais indicado, por algumas razões. Eis algumas: a equipe envolvida na elaboração já está saturada com os assuntos da empresa e, sem tempo para descansar, tornará o clima ruim ou festivo demais para se tomar as decisões corretas que a empresa precisa. Com alto grau de certeza, os consensos serão feitos para agradar a diretoria, não pensando no que realmente seria melhor para a empresa.

Além disso, um final de semana, dependendo do caso, é pouco tempo, pensando que, a equipe não está toda reunida e pensará exclusivamente no planejamento estratégico – a menos que o diretor tenha muita sorte e chova muito (mas muito mesmo) durante este período. As pessoas quererão momentos de lazer e diversão também.

Segunda questão: estar fora das instalações da empresa implica em não ter informações suficientes para embasar as decisões, a não ser que se tenha um sistema informatizado de última geração e sabedoria para acessá-lo. Ou, em último caso, um trabalho árduo de seleção de informações, elaboração de relatórios e impressão de páginas e páginas de documentos, que podem não ser os pertinentes, trabalho realizado, então, em vão – o que é desestimulante aos envolvidos.

Porém, estas ainda são questões pequenas. A pior questão que envolve a descrição da introdução do texto é a referente à elaboração do planejamento estratégico no segundo semestre. Não que não seja indicado. Mas é errôneo pensar que é somente neste momento que é possível elaborá-lo.

A ideia de começar o ano com ares novos é, até, entendível. Mas, pensem comigo: é válido? Muitas empresas vivem, no segundo semestre, seu período mais produtivo. Então, parar um final de semana ou, pior, emendar um final de semana, privando a equipe do descanso necessário, pode ser extremamente improdutivo e cansativo.

Não há uma necessidade em elaborar o planejamento estratégico no segundo semestre do ano – mais centralizado ainda, nos meses de outubro e novembro. Planejamento estratégico pode ser elaborado em qualquer período do ano, aproveitando-se os períodos de sazonalidade da produção, em que pode-se tomar um tempo da equipe, sem prejudicar o desempenho – tanto da equipe, quanto da empresa.

Planejamentos podem ser elaborados em qualquer mês do ano. Aproveite as variáveis, os horários vagos, a época de baixa sazonalidade. Não sature sua equipe.

Só uma última questão: não há planejamento estratégico para o próximo ano, a não ser que a indústria em que sua empresa está inserida seja muito dinâmica – como por exemplo, tecnologia, em que as variáveis mudam muito frequentemente. Planejamento estratégico (sic) para o próximo ano, é mais uma questão de definição de metas de produção, comercial e orçamentária (estritamente táticas, não estratégicas).

Planejamento estratégico vislumbra, em média, de 3 a 5 anos no Brasil. No Japão, a partir de 30 anos. Devemos mudar nossa visão de futuro – na verdade, criar uma. Deixar de pensar (donos de empresa e pessoas estratégicas) em pagar contas que vencem amanhã. Isso é operacional. Devemos pensar nossa empresa no futuro, o que ela será e traçar as estratégias para conseguir isso.

Se tem uma coisa que podemos – e precisamos – aprender com empresários de outros países é planejar. Pense nisso.

Até a próxima.

Leia outros artigos de Marcio Karsten
Márcio Karsten Administrador com especialização em MBA Empresarial. Atua como consultor de empresas nas áreas de Estratégia Empresarial e Marketing, já tendo atendido organizações de diversos segmentos e portes. É, também, professor em cursos técnicos, palestrante, conferencista e articulista, com diversos textos publicados em sites e revistas especializadas.

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest