CaldoQuantico   Holopraxis   CQL   CreSentes   DNAtos   PARCEIROS   EXPEDIENTE   ANUNCIE   PRIVACIDADE E USOS  
   
CAPA | GERAL | CADERNO 1 | CADERNO 2 | CADERNO 3 | CADERNO 4 | BLOGS | LINKS ÚTEIS
Saúde

19 de novembro, Dia Mundial de Combate À Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica

Brasil: muito a melhorar na luta contra a DPOC

19 de novembro é o Dia Mundial de Combate à Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), e nesta data ocorrem manifestações no mundo inteiro com o objetivo de informar a população sobre este mal.

Em São Paulo, parceria entre a Secretaria Estadual de Saúde e a Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT), fez com que o Governo Estadual passasse a fornecer medicamentos gratuitamente aos portadores da doença, comemora o dr. José Eduardo Delfini Cançado, Presidente da SPPT. Isso foi uma grande vitória, pois a prevalência de DPOC na capital é de 15,8%, segundo o Estudo Platino, realizado em cinco cidades da América Latina em 2007. A partir dessa iniciativa, vários outros Estados têm lançado protocolos semelhantes, possibilitando o diagnóstico e tratamento adequados da patologia.

Por estar associada a complicações como bronquite e enfisema pulmonar, que diminuem gradativamente a função pulmonar e exigem hospitalizações prolongadas, remédios caros e a necessidade de ausência no trabalho, a DPOC, mais é comum em indivíduos com mais de 50 anos, tem um custo social alto para a família e para o Estado. Este tem de manter ambulatórios especializados, com exames complementares radiológicos, provas de função pulmonar, bem como disponibilizar tratamento que inclui oxigenioterapia domiciliar, freqüentemente necessária em casos terminais.

Segundo a especialista da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT), dra. Maria Vera Cruz de Oliveira Castellano, o Brasil já teve alguns avanços no combate a doença.

“O governo tem dado mais importância à questão da informação sobre os danos do tabagismo, além de oferecer medicação gratuita, e os pneumologistas têm realizado constantes capacitações para diagnosticar precocemente, tratar e acompanhar os pacientes”.

O tabagismo é a principal causa da DPOC, relacionando-se a 90% dos casos. A prática provoca perdas de volumes pulmonares, fazendo com que o paciente apresente falta de ar, tosse e expectoração, que evoluem até as formas mais graves da doença.

De acordo com a dra. Maria Vera, a questão do tabagismo é um dos principais desafios no combate ao problema da DPOC, pois as pessoas ainda não estão informadas ou não dão a importância devida aos riscos que as substâncias presentes no tabaco trazem à saúde.

“Em um trabalho recente realizado na cidade de Botucatu, descobriu-se que mais de 20% das pessoas que procuraram o ambulatório de tabagismo para parar de fumar, já apresentavam algum problema respiratório”.

Acesso pleno ao diagnóstico e tratamento ainda não é realidade em diversos pontos do país. O paciente pode chegar na unidade de saúde e não conseguir satisfazer suas dúvidas, pois nem todos os agentes de saúde estão devidamente informados. Contudo, o acompanhamento médico especializado pode evitar a evolução de uma DPOC leve para as formas mais agudas da doença.

“Se a prova de função pulmonar for feita periodicamente, o paciente poderá ter a doença detectada precocemente e começar a receber orientações e tratamento com o pneumologista o quanto antes”, alerta a dra. Maria Vera.

Ações de controle do tabagismo, informação e educação da sociedade civil, e o fornecimento de tratamento adequado. Se alguma dessas metas for abandonada, o Brasil continuará perdendo 3 habitantes por hora para a DPOC.


14/11/2008
Acontece Comunicação e Notícias
www.acontecenoticias.com.br

FarolCom no Pinterest
Brasil no Google Maps
Tudo sobre o HIV e a AIDS
http://www.soropositivo.org 
Meteorologia