Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Saúde

Ecopontos, Feiras-Livres e outros serviços em Uberlândia
domingo, 10 janeiro, 2016 - 14h38

Laser auxilia tratamento odontológico em paciente com Down

O tratamento da doença periodontal em pessoas com síndrome de Down ainda é pouco estudado, apesar das características específicas dos pacientes, como a resposta imunológica deficiente que favorece o avanço da infecção na gengiva

Para entender melhor essa situação, o cirurgião-dentista Rafael Ferreira analisou 33 pacientes que fizeram o tratamento periodontal convencional.

O estudo também testou em parte do grupo a terapia fotodinâmica antimicrobiana (aPDT), um tratamento auxilar à base de laser e corante para conter a infecção.

A pesquisa realizada na Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB) da USP ressalta também a importância da presença de seus cuidadores no consultório para receberem instrução adequada sobre higiene oral.

ilustração
Terapia fotodinâmica antimicrobiana (aPDT) foi testada para conter a infecção | ilustração
Terapia fotodinâmica antimicrobiana (aPDT) foi testada para conter a infecção

Doença periodontal é uma doença infecto-inflamatória que atinge os tecidos ao redor dos dentes, como gengiva, cemento, ligamento periodontal e osso alveolar. “Ela ocorre a partir da presença de biofilme dentário, composto por diversos microrganismos, principalmente bactérias”, conta o cirurgião-dentista. “Inicialmente, é caracterizada por um quadro de gengivite, sendo que a gengiva fica bem vermelha e inchada, com possibilidade de sangramento espontâneo, além de halitose, ou seja, mau hálito”.

A progressão e desenvolvimento de sua forma mais severa, a periodontite, ocorre devido a diversos fatores do paciente, como fumo, diabetes e alterações genéticas, dentre outros. “A periodontite leva a mobilidade dentária e se não tratada pode ocasionar a perda do dente além de comprometer a saúde geral do paciente”, ressalta Ferreira. Participaram do estudo pessoas com idades de 15 a 65 anos, com média de idade de 27 anos. A pesquisa teve a orientação da professora doutora Carla Andreotti Damante.

O cirurgião-dentista aponta que pessoas com síndrome de Down apresentam prejuízo na resposta imunológica . “Quando um agente agressor como a bactéria da doença periodontal entra em contato com a gengiva, haverá uma resposta deficiente por parte do paciente, devido ao comprometimento do sistema imunológico”, afirma. “Desse modo, a doença se desenvolve de forma mais rápida e severa do que em pacientes que não são sindrômicos”.

Terapia fotodinâmica

O tratamento básico em periodontia consiste na remoção da inflamação, ou seja, do biofilme dentário (placa) e de cálculo (tártaro), dos dentes por meio da raspagem e alisamento corono- radicular (da coroa a raiz dos dentes), profilaxia profissional (limpeza) e instrução de higiene oral, que é fornecida aos pacientes e cuidadores.

“O tratamento periodontal convencional de raspagem foi realizado com curetas (instrumentos cirúrgicos) manuais para remoção de placa abaixo (subgengival) ou acima (supregengival) da gengiva”, descreve Ferreira. “Depois da remoção, é feita a profilaxia com escova e pasta específicas para diminuir a infecção”.

A pesquisa avaliou a terapia fotodinâmica antimicrobiana como auxiliar ao tratamento convencional. Por meio dessa técnica, é feita a aplicação de um corante (azul de metileno) no espaço entre os dentes e a gengiva, conhecido como sulco gengival.

“Quando o paciente tem a doença, no local há a formação das bolsas periodontais. Em seguida, um laser com ponta de fibra óptica é colocado nesse espaço e faz com que o corante tenha uma reação fotoquímica”, descreve o cirurgião dentista. “A reação dá origem a espécies reativas de oxigênio, que destroem e diminuem a concentração de bactérias, vírus, fungos e parasitas, além de não induzir a resistência das bactérias”.

De acordo com Ferreira, a terapia fotodinâmica teve resultados similares ao do tratamento periodontal convencional. “Independente da forma como o paciente é tratado, é muito importante a manutenção correta de tudo o que é feito no consultório em casa. Por isso, em casos de pessoas com síndrome de Down, o envolvimento dos cuidadores é fundamental para o êxito da terapia”, ressalta. “Mesmo não havendo essa diferença, a terapia com laser associado ao corante é uma opção disponível para tratar a doença periodontal em paciente com síndrome de Down”.

O estudo aponta, com base em uma revisão sistemática da literatura científica sobre o tema, que a frequência ideal no consultório do dentista durante o tratamento periodontal é de 15 dias, sempre com a presença dos responsáveis pelo paciente. “É essencial que os pais e cuidadores estejam sempre atentos à supervisão e a complementação da higienização oral, qualquer que seja a idade do paciente, para que ela seja feita de forma adequada”, diz o cirurgião dentista. A higienização inclui escovação e o uso do fio dental.

Júlio Bernardes | Agência USP

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest

Tudo sobre o HIV e a AIDS Soropositivo.org