Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Saúde

Ecopontos, Feiras-Livres e outros serviços em Uberlândia
terça-feira, 26 janeiro, 2016 - 20h55 - TECNOLOGIA

Biossensor descartável poderá diagnosticar câncer de pâncreas

O uso de substâncias naturais e de baixo custo poderá, no futuro, auxiliar no diagnóstico do câncer de pâncreas nos estágios iniciais

Pesquisadores construíram um protótipo de biossensor para detectar a doença utilizando polissacarídeos (carboidratos) da casca de camarão, proteínas da semente do feijão-de-porco e uma camada ativa de anticorpos.

O estudo foi desenvolvido pelo Grupo de Polímeros Prof. Bernhard Gross, do Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da USP, em colaboração com o Hospital de Câncer de Barretos.

O biossensor é um sensor que usa um elemento biológico de reconhecimento, como uma enzima, um anticorpo, para medir de modo seletivo determinadas substâncias.

Foto: Divulgação
Produção, no futuro, de biossensor pode facilitar diagnóstico do câncer de pâncreas | Foto: Divulgação
Produção, no futuro, de biossensor pode facilitar diagnóstico do câncer de pâncreas

O dispositivo eletrônico criado no IFSC é composto por algumas camadas de filmes nanométricos – películas incrivelmente finas – que contêm quitosana (substância retirada da casca de camarão), a Concanavalina A (proteína que pode ser extraída das sementes de feijão-de-porco), e uma camada ativa de anticorpos capaz de reconhecer o antígeno CA19-9 em pequenas quantidades de amostras.

O CA19-9 é uma proteína presente nos organismos humanos, mas sua concentração se torna elevada quando um indivíduo é acometido pelo câncer de pâncreas. “Quando colocamos a amostra do paciente sobre o biossensor, há uma interação com a camada ativa de anticorpos, gerando um sinal elétrico que nos permite saber se há ou não uma quantidade excessiva de CA19-9 no material coletado”, explica Andrey Soares, doutorando do IFSC que desenvolveu o estudo sobre o biossensor, sob a orientação do professor Osvaldo Novais de Oliveira Jr.

A pesquisa identificou os mecanismos de detecção do câncer de pâncreas por meio da espectroscopia no infravermelho (medição do comprimento de onda e intensidade da absorção de luz infravermelha de uma amostra) que permite analisar apenas a superfície do biossensor. Assim, foi possível determinar os grupos químicos dos anticorpos e antígenos que interagem e comprovar que a detecção se deve à adsorção das moléculas de antígeno sobre o biossensor.

Decifrando os dados

Como é imensa a quantidade de dados obtidos com biossensores, podendo ser difícil distinguir entre amostras biológicas muito semelhantes, o Grupo de Polímeros estabeleceu uma colaboração com Maria Cristina Ferreira de Oliveira e Fernando Vieira Paulovich, professores do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP em São Carlos, com o intuito de desenvolver métodos computacionais de análise e visualização de dados.

Um dos resultados dessa colaboração foi o software PEx-Sensors que auxilia no desempenho da detecção e gera visualizações que facilitam a interpretação dos resultados. Assim, dados, que parecem “indecifráveis” à primeira vista para um não especialista em física e computação, são facilmente interpretáveis por médicos e pacientes.

Vantagens do novo biossensor

De acordo com Soares, já existem outras maneiras de se detectar o câncer de pâncreas, como, por exemplo, por meio de exames de sangue e de outros tipos de biossensores. O diferencial do novo método está na possibilidade de miniaturização do sistema de detecção e no uso de materiais biodegradáveis e de baixo custo.

Futuramente, essas características poderão tornar o novo biossensor numa alternativa prática e eficaz, inclusive, para ser empregada no consultório médico ou até em residências, sem necessidade de laboratórios sofisticados de análises clínicas. No entanto, isso só será possível, se houver investimentos para a engenharia de dispositivos que pode requerer alguns anos.

“Como o nosso objetivo é desenvolver um equipamento de baixo custo, portátil e de fácil manuseio, a ideia é que os filmes do biossensor sejam descartáveis, de forma que não hajam alterações nos diagnósticos seguintes obtidos através do mesmo aparelho”, explica o professor Osvaldo Novais de Oliveira Jr.

Continuação da pesquisa

A parceria entre os pesquisadores do Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da USP e do Hospital de Câncer de Barretos permitirão os próximos passos do estudo: a realização de exames em amostras de sangue reais, uma vez que os testes da pesquisa foram desenvolvidos com linhagens de células cancerosas produzidas em laboratório.

Outro intuito dos pesquisadores é comprovar que a produção do dispositivo pode ser economicamente viável, tendo em vista que os materiais utilizados em sua fabricação são de baixo custo. Os resultados do desenvolvimento do biossensor para o diagnóstico precoce de câncer de pâncreas foram publicados, em novembro, na revista ACS Applied Materials & Interfaces.

Os pesquisadores também deverão aplicar conceitos similares na elaboração de biossensores capazes de detectar precocemente outros tipos de câncer, como é mostrado em uma outra publicação na citada revista científica sobre aprimoramento da detecção do câncer de mama.

Rui Sintra, da Assessoria de Comunicação do IFSC, via Agência USP

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest

Tudo sobre o HIV e a AIDS Soropositivo.org