Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Saúde

Ecopontos, Feiras-Livres e outros serviços em Uberlândia
sexta-feira, 29 janeiro, 2016 - 21h50

Brasil continua sem alcançar meta da ONU no combate à hanseníase

Com cerca de 30 mil novos casos por ano, uma média de 15 pessoas contaminadas a cada 100 mil habitantes, o Brasil é o único país do mundo que ainda não alcançou a meta em 2015

O país é considerado em processo de eliminação da doença quando atinge o nível de dez novos casos a cada 100 mil habitantes.

A informação é do Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Morhan), que este mês promove mês a campanha #JaneiroRoxo para marcar as ações em torno do combate à doença, considerada a mais antiga da humanidade, além do dia Mundial e Nacional de Combate à Hanseníase, comemorado no último domingo de janeiro.

No Rio de Janeiro, o Morhan fez hoje (29) um dia de ações lúdicas e informativas sobre a doença no Hospital Estadual Tavares de Macedo, em Itaboraí, local onde funcionou uma colônia de isolamento de pacientes. Esta semana também ocorreu, no Japão, o encontro do Apelo Global para Erradicação do Estigma e do Preconceito contra Pessoas Atingidas pela Hanseníase, que chegou à sua 11ª edição.

Campanha #JaneiroRoxo para marcar as ações em torno do combate à doença
Campanha #JaneiroRoxo para marcar as ações em torno do combate à doença

O coordenador nacional do Morhan, Artur Custódio, informou que o movimento do Apelo Global começou com os próprios pacientes.

“Todo ano fazemos um apelo global. Já teve vários, cada vez com um tema. O primeiro foi feito pelas próprias pessoas doentes, para acabar com a doença e com o preconceito. O segundo foi assinado por presidentes e prêmios Nobel da Paz, como Lula, Jimmy Carter e Dalai Lama. Depois, foram organizações de direitos humanos, ordens dos advogados do mundo todo e academias. Este ano, o foco são os jovens, de modo a envolvê-los na causa”.

Segundo Custódio, o fato é importante para divulgar os sintomas da doença e a necessidade de se fazer a detecção precoce. “O Brasil não está detectando precocemente. Quase 10% dos novos casos chegam no posto de saúde com sequelas. Não estamos fazendo exame de contato, que detecta mais casos. Temos de manter o combate à hanseníase na agenda política.”

O Ministério da Saúde informou que está fechando os dados de 2015 da doença e deve divulgar o balanço e a campanha de combate e conscientização na próxima semana.

A hanseníase tem cura e o tratamento é oferecido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), com duração de seis meses a um ano, de acordo com a forma da doença. Os principais sintomas são manchas esbranquiçadas, avermelhadas ou amarronzadas; área de pele seca e com falta de suor, com queda de pelos ou com perda de sensibilidade; sensação de formigamento; dor e sensação de choque, fisgada ou agulhada ao longo dos nervos dos braços e pernas; edema ou inchaço de mãos e pés; diminuição da força muscular das mãos, pés e face; úlceras de pernas e pés; e nódulo no corpo.

A doença é causada pela bactéria Mycobacterium leprae e é transmitida pela respiração. O contágio ocorre quando há o contato prolongado com pessoa doente sem tratamento. As crianças são mais suscetíveis que os adultos. Para Custódio, a doença deixa de ser transmissível assim que iniciado o tratamento. Entre os fatores de risco estão o baixo nível sócioeconômico, a desnutrição e a superpopulação doméstica.

“A doença acompanha a linha da miséria. Então, onde tiver uma situação de vida pior terá mais. No Rio de Janeiro tem mais na Baixada Fluminense, zona oeste, São Gonçalo e Campo dos Goytacazes, onde ainda tem trabalhadores no corte da cana”.

O Morhan lançou este mês o ZapHansen, canal informativo gratuito para tirar dúvidas sobre hanseníase através do aplicativo para smatphone WhatsApp. O número é (21) 979 120 108.

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest

Tudo sobre o HIV e a AIDS Soropositivo.org