Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Saúde

Ecopontos, Feiras-Livres e outros serviços em Uberlândia
sábado, 6 fevereiro, 2016 - 11h04

Entidade questiona uso de larvicidas e fumacê para conter infestação por Aedes

Medidas, utilizadas há décadas no país, não têm alcançado efetividade no combate ao vetor, não diminuem a infestação, além de provocar sérios danos à população

A Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) criticou o uso de larvicidas e nebulizações químicas, conhecidas como fumacê, no combate ao mosquito Aedes aegypti.

Por meio de nota, a entidade destacou que as medidas, utilizadas há décadas no país, não têm alcançado efetividade no combate ao vetor e, portanto, não diminuem a infestação, além de provocar sérios danos à população.

“Foi decisão do Ministério da Saúde imputar a associação da epidemia de microcefalia à infecção materno-fetal pelo vírus Zika, supostamente introduzido no Brasil em 2014, no Nordeste brasileiro.

Arquivo/Secom PMU
Abrasco defende que, no lugar do uso do fumacê, sejam implementadas, ações de saneamento ambiental e fornecimento regular de água | foto: Arquivo/Secom PMU
Abrasco defende que, no lugar do uso do fumacê, sejam implementadas ações de saneamento ambiental e fornecimento regular de água

Diante da inusitada incidência, foi determinado o estado de emergência em saúde pública de importância nacional, desencadeando a intensificação do controle vetorial do Aedes aegypti, dentro da mesma abordagem utilizada para a dengue e que, há cerca 40 anos, é realizada sem efetividade para os objetivos pretendidos.”

A Abrasco defende que, no lugar do uso do fumacê, sejam implementadas, por parte do governo, ações de saneamento ambiental e fornecimento regular de água. O quadro sanitário no qual emerge a epidemia de microcefalia, segundo a nota, deve ser analisado considerando-se graves problemas que estão presentes na realidade socioambiental em que ocorreram os casos e no modelo operacional de controle vetorial.

“A distribuição espacial por local de moradia das mães dos recém-nascidos com microcefalia (ou suspeitos) é maior nas áreas mais pobres, com urbanização precária e com saneamento ambiental inadequado, com provimento de água de forma intermitente, fato que leva essas populações ao armazenamento domiciliar inseguro de água, condição muito favorável para a reprodução do Aedes aegypti, constituindo-se em criadouros que não deveriam existir e que são passíveis de eliminação mecânica.”

Por meio de nota, o Ministério da Saúde informou que o processo de nebulização espacial é utilizado para combater o Aedes já na fase adulta e que a melhor forma de controlar a infestação é não deixar o mosquito nascer. “Após o nascimento, as operações de controle são mais difíceis, custosas e com efetividade diminuída. Por isso, a aplicação da nebulização espacial deve ser um incremento à inspeção mecânica de criadouros”, esclareceu.

Ainda segundo a pasta, a técnica de nebulização espacial utiliza inseticidas de Ultra Baixo Volume, ou seja, um volume baixo de produto é suficiente para tratar grandes áreas. Todos os inseticidas, larvicidas e adulticidas utilizados pelo governo, conforme a nota, são autorizados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“A técnica de nebulização espacial representa um risco bastante reduzido à população geral, uma vez que a quantidade de produto utilizada é considerada pequena. As atuais formulações utilizadas são à base de água, não havendo risco de ser inflamável.”

Ao final, o ministério ressaltou que a eficácia do fumacê depende da observância de uma série de detalhes técnicos, como horário de aplicação (pouco antes e pouco após o nascer ou o pôr do sol), regulagem do equipamento, controle de qualidade do spray, velocidade do vento e capacitação técnica dos aplicadores, entre outros.

“A nebulização espacial é geralmente feita em áreas abertas, podendo ser aplicada também no interior dos imóveis. Os moradores devem ser instruídos a abrir portas de box dos banheiros, levantar lençóis e cobertas, proteger aquários, gaiolas e alimentos. Os moradores devem ser instruídos a entrar após 20 a 30 minutos. A medida visa a eliminar mosquitos que se alojam no interior dos imóveis.”

Agência Brasil

Leia também:

Ministério da Saúde defende segurança de larvicida

Atuação do fumacê vai muito além de fumaça e barulho

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest

Tudo sobre o HIV e a AIDS Soropositivo.org