Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Ecopontos, Feiras-Livres e outros serviços em Uberlândia
sexta-feira, 07 agosto, 2015 - 10h14

Campanha contra a Polio começa na segunda-feira

Começa na segunda-feira (10) a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite. Até 28 de agosto, 70 pontos de vacinação entre Unidades de Atendimento Integrado (UAIs), Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e Unidades Básicas de Saúde da Família (UBSFs) na zona urbana e rural de Uberlândia, estarão à disposição da população realizando a vacinação

Ao todo, 37.565 crianças com idade entre seis meses e 04 anos, 11 meses e 29 dias podem receber a vacina no município. Ou seja, a criança pode vacinar até um dia antes de completar cinco anos. A meta é atingir 95% deste grupo, o que equivale a 35.686 crianças.

Em Uberlândia o calendário de vacinação em 2015 será diferenciado por conta dos feriados

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite acontece desde 1979 e há 26 anos o país não registra casos da doença, estando livre do poliovírus desde 1989.

Em 1994, o Brasil recebeu da Organização Mundial da Saúde (OMS) o certificado de eliminação da doença, mas é apenas por meio da vacinação contínua que o território nacional se mantém assim.

Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr / ARQUIVO
Na Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite será utilizada prioritariamente a vacina oral de poliomelite (VOP), no entanto, a vacina inativada está disponível | Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr / ARQUIVO
Na Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite será utilizada prioritariamente a vacina oral de poliomelite (VOP), no entanto, a vacina inativada está disponível

Desde 2013, os postos de saúde de Uberlândia oferecem a vacina inativada de poliomelite (VIP), que é injetável, para crianças que estão iniciando o esquema contra a poliomelite, com dois e quatro meses de idade. Na Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite será utilizada prioritariamente a vacina oral de poliomelite (VOP), no entanto, a vacina inativada está disponível.

Para que a criança receba a imunização é preciso apresentar o cartão de vacina e estar acompanhado de um responsável adulto, para atualizar o cartão em caso de vacinação atrasada. Recomenda-se que apenas quem apresentar febre alta, vômito, diarreia forte ou alergia a doses anteriores da vacina não participe. O horário de atendimento nas Unidades é das 7h às 17h. UAIs e UBS Brasil atendem até 21h.

Importância da Vacinação

Apesar de o Brasil não apresentar novos casos da doença há mais de 25 anos, ela ainda é endêmica em três países (Nigéria, Paquistão e Afeganistão) e dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) demonstram que entre os anos de 2013 e 2014, outros sete países registraram casos da doença (Somália, Guiné Equatorial, Iraque, Camarões, Síria, Etiópia e Quênia).

Por esta razão, até que aconteça a certificação mundial da erradicação desse agente infeccioso, as ações devem ser continuadas, mantendo a cobertura vacinal em todos os municípios para evitar a reintrodução do vírus da poliomelite no país.

A Doença

A transmissão da poliomelite se dá, principalmente, de pessoa a pessoa, pelo contato com objetos, alimentos e água contaminados com fezes de doentes e portadores, ou por meio de gotículas de saliva ao falar, tossir ou espirrar. Más condições habitacionais e de higiene favorecem a transmissão do poliovírus.

O período de incubação (tempo que demora entre o contágio e o desenvolvimento da doença) é, geralmente, de 7 a 12 dias, podendo variar de 2 a 30 dias. Quando a doença se manifesta na criança infectada pelo vírus da poliomelite, a deficiência motora se instala subitamente, com febre e dor muscular (mialgia), pois adquire sérias lesões que afetam o sistema nervoso, provocando paralisia permanente ou transitória, principalmente nos membros inferiores. A sensibilidade é conservada, mas pouco pode ser feito, pois a evolução dessa manifestação, geralmente, não ultrapassa três dias.

Clarice Sousa | Saúde/Secom PMU

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest